O 4-2-3-1 impera na ponta de um campeonato de baixo nível técnico e tático

Em um campeonato que ainda não engrenou do ponto de vista técnico e nem grandes teve soluções táticas, Cruzeiro, Fluminense, Corinthians e São Paulo param para a entrada da Copa no G-4. Isso não significa que eles têm jogado o melhor futebol da competição, talvez o mais eficiente dentre os outros, mas não o melhor. Classificação que cabe, principalmente, a Corinthians e São Paulo – e também a Inter que vem coladinho em 5º – que jogaram um futebol pragmático e sonolento, mas foram eficientes na medida do possível. Já Cruzeiro e Fluminense tem obtido melhores atuações, com times mais sólidos, mas que ainda não engrenaram para sobrar. Em todos o 4-2-3-1 é a base da distribuição em campo.

No Cruzeiro, Marcelo Oliveira manteve a base e o objetivo era a Libertadores, talvez a falta de costume do atual elenco e do técnico com a competição fez com que o Cruzeiro, mesmo sendo o mais forte tecnicamente, não se sobressaísse e acabasse sofrendo em jogos em casa. Nos quatro primeiros jogos do nacional time misto e atenções dividas, sete pontos somados em doze possíveis e uma boa impressão. Quando foi eliminado vieram três vitórias seguidas contra Coritiba, Sport e Inter. Nos últimos dois jogos venceu um e perdeu um. Ficando com a liderança e a melhor perspectiva do campeonato.
Esse foi o Cruzeiro que bateu o Inter no Sul. Dagoberto e Willian revezam pela esquerda e Dedé é o títular natural na vaga de Léo. Além de Nilton e Lucas Silva que formarem o meio defensivo. Everton Ribeiro não tem desequilibrado como no último Brasileirão, mas Ricardo Goulart tem feito isso e é o artilheiro ao lado de Marcelo Moreno com 5 gols. 

Logo atrás, mesmo sendo o time com mais derrotas no G-4, o Flu tem uma belíssima campanha e jogos de encher os olhos, como na estreia contra o Figueirense e na segunda rodada contra o Palmeiras. Cristóvão chegou deu organização ao time, além de mexer na estrutura deixada por Portaluppi. O time teve apagões contra Vitória e Grêmio, mas voltou a convencer vencendo o Fla-Flu e massacrando o São Paulo de Muricy no Maracanã. Conca, Sóbis e Wagner se entenderam muito bem no jogo proposto por Cristóvão: rotação, intensidade e bom toque de bola, sempre a procura de Fred ou Walter.

 
O Flu tem menos variações que o Cruzeiro, mas tem um time muito forte. Rapidez, incisividade e um bom toque de bola, são algumas das marcas deste time. 

O Corinthians de Mano Menezes cambaleou e tendeu ao 4-1-4-1, mas achou no 4-2-3-1 a melhor forma de abrigar seu estilo de jogo. O time que já foi até líder, perdeu apenas uma, justamente na estreia da Arena, para o lanterna Figueirense. Muitos empates vão contra Mano, nos jogos contra Atlético-MG, São Paulo, Atlético-PR e Botafogo, tirando o jogo contra o Galo que foi 0 a 0, em todos os outros o Corinthians saiu na frente e acabou levando o empate nos momentos finais do jogo. Mano tem sido duramente criticado por recuar demais o time quando está em vantagem. A baixa produção ofensiva também preocupa, mesmo que a defesa siga sendo a melhor, assim como na era Tite.

 
Sem Jadson o time perde muito na criação e já se mostra dependente dele. Romarinho é muito mais incisivo que seu companheiro de ponta Petros, que ajuda muito mais na marcação, até por isso o time procura mais o camisa 31 nas jogadas com Fágner pela direita. 

O São Paulo de Muricy também não tem encantado aos fãs do futebol. Muito pelo contrario, o tricolor tem tido atuações abaixo da média, como nos empates com Cruzeiro, Coritiba, Corinthians e Atlético-PR, onde achou gols nos momentos derradeiros dos jogos. As vitórias contra Botafogo e Flamengo empolgaram, mas com a ressalva dos fracos adversários que haviam enfrentado. As últimas vitórias no Morumbi, contra Galo e Grêmio foram pragmáticas e decididas na bola parada, como manda o “muricybol”. Já a acachapante derrota para o Flu escancarou os problemas defensivos do São Paulo, além da falta de criatividade que a dupla Pato e Ganso tem mostrado.

 
Depois de vários testes, Muricy achou um jeito de abrigar Pato e Ganso. Com a bola o camisa dez centraliza e o onze faz a diagonal, sem ela Ganso recua pelo lado do campo e Pato centraliza.

Após a Copa, o Cruzeiro deve ter o retorno de Dedé lesionado e o Flu contará, ou não, com Fred, camisa nove de Felipão. São Paulo e Corinthians também terão reforços, no tricolor Alan Kardec estará disponível, além do retorno de Alvaro Perreira, já no Corinthians Elias poderá enfim estrear e comandar o meio alvinegro, além da Arena que poderá ser usada com mais frequência.

Talvez os retornos e algumas compras na janela façam o Brasileirão subir seu nível, que hoje não se encontra em bom estado. Além destes quatro, Inter, Atlético-MG, Grêmio e Palmeiras podem brigar por uma vaga na Libertadores. Hoje, apenas o Cruzeiro parece preparado para o título, mas o Flu vem logo atrás.

Facebook Comments

Raí Monteiro

Jornalista, editor e doente por futebol. Sempre aberto a um bom debate e um copo de cerveja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *