Uma grande Costa Rica sonha sobre o apático Uruguai

Temos a primeira grande surpresa do Mundial! A fechadinha Costa Rica surpreendeu um apático Uruguai e garantiu a zebra em Fortaleza. As ferrenhas linhas de Jorge Pinto não davam muitas perspectivas no duelo que começou sonolento, já que Uruguai de Tabarez não tinha Suárez e com isso perdeu todo seu poder de infiltração.

O maestro apostou em Forlán na vaga do atacante do Liverpool e manteve a estrutura em duas linhas de quatro que tinha o camisa dez para criar e Cavani para definir. Porém essa criação foi o grande problema da celeste olímpica, já que o time não encontrou espaços para infiltrar no 5-4-1 da Costa Rica. O que fez a bola aérea virar a tônica. No primeiro centro Godín marcou impedido, no segundo Lugano sofreu pênalti e Cavani abriu o placar. 
 

O gol não soltou o Uruguai, que parecia tenso. Foi apático e previsível, enquanto a Costa Rica tinha como proposta compactar os setores e deixar Brian Ruiz, partindo da esquerda, e Campbell mais a frente para decidirem em uma bola. Porém, a Costa Rica não conseguia passar do meio campo conduzindo e a primeira chance foi no chute de longe de Campbell.

No 4-4-2, o Uruguai não conseguiu penetrar na fechada Costa Rica de 5-4-1.
À volta para o segundo tempo trouxe um Uruguai mais frouxo e uma Costa Rica mais ousada, que soltou as linhas e chegou ao empate na jogada de linha de fundo que encontrou Campbell livre. Domínio e chute firme de canhota para empatar o jogo. O garoto estava mostrando trabalho. Cinco minutos depois Bolaños fez um centro perfeito para Gamboa, em sua segunda cabeçada, virar o jogo. 

Pane defensiva no Uruguai. Tabarez viu um time sem reação e trocou Forlán e Gargano por Lodeiro e Álvaro Gonzalez. Não deu certo, o Uruguai tinha a bola, porém a Costa Rica levava perigo com o trio Campbell, Brian Ruiz e Bolaños. Que infernizou a linha defensiva do Uruguai com 12 finalizações, quatro a meta de Muslera.

Com Bolaños e Campbell mais soltos a Costa Rica matou o Uruguai.

Jorge Pinto reforçou o meio campo com Cubero na vaga de Tejeda e trouxe Campbell para o lado com a entrada de Ureña na vaga de Ruiz. Tabarez tirou Cristian Rodriguez, que marcava pela esquerda para colocar Abel Hernandez. O buraco pelo lado de Campbell foi fatal. No passe na medida do melhor do jogo para Ureña, que só teve o trabalho de tirar de Muslera. 

O perdido Uruguai ainda teve Maxi Pereira expulso e viu a subestimada Costa Rica surpreender em Fortaleza. No grupo da morte, uma derrota para a seleção em tese mais frágil pode ser fatal ao apático Uruguai. Para a Costa Rica, com o futebol de hoje, o sonho segue.
Facebook Comments

Raí Monteiro

Jornalista, editor e doente por futebol. Sempre aberto a um bom debate e um copo de cerveja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *